Artigo publicado na revista internacional Geospatial Health, em 2022. 

 

A pesquisa está vinculada com os projetos de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, e tem como autores os egressos do PPGENF Me. Sara Melissa Lago Sousa (UFPA) e , Me. Andrey Oeiras Pedroso (UFPA), discente da graduação FAENF Iaron Leal Seabra (UFPA), docentes permanentes Dra. Glenda Roberta Oliveira Naiff Ferreira (UFPA), Dra. Aline Maria Pereira Cruz Ramos (UFPA), Dra. Sandra Helena Isse Polaro (UFPA), Dr. Eliã Pinheiro Botelho (UFPA). 

 

O artigo intitulado "Spatial analysis of the AIDS mortality rate among young people in a province of the Brazilian Amazon: An ecological study" teve como objetivo principal analisar espacialmente a taxa de mortalidade por AIDS entre jovens em uma província da Amazônia brasileira e a variabilidade espacial da taxa promovida pelos DSS. Este estudo fornece subsídios para a implementação de políticas focais eficazes para combater o HIV e reduzir a taxa de mortalidade entre os jovens no Pará. 

 

Todas as notificações de óbitos por AIDS entre 2007 e 2018 entre jovens residentes no estado do Pará foram incluídas no estudo. A taxa de mortalidade foi analisada usando distribuição espacial e autocorrelação, varredura espacial e regressão geograficamente ponderada (GWR). No período do estudo, ocorreram 1.372 óbitos por aids entre jovens com expansão territorial.  

 

A autocorrelação espacial mostrou dois clusters alto-alto no período de 2007 a 2010, um formado por municípios do sudeste do Pará e outro da região metropolitana de Belém, restando apenas este último entre 2011 e 2018. Os resultados deste estudo indicam que a mortalidade por aids está em expansão entre os jovens no Pará, dado que sugere que as políticas públicas voltadas para o combate ao HIV entre os jovens são ineficientes, possivelmente com exceção da RMB, que apresentou um risco espaço-temporal no período de 2013 a 2018 apenas. 

 

 A variabilidade espacial da taxa de mortalidade por AIDS com maior associação, com taxa de homicídios de jovens, evasão do ensino fundamental e famílias cadastradas no CadÚnico, reforça a necessidade de investimentos na promoção da qualidade de vida dessas populações, principalmente nos municípios das regiões Sudeste e Regiões Sudoeste e Baixo Amazonas. É necessário garantir o acesso aos serviços de aconselhamento, prevenção, diagnóstico e tratamento do HIV para os jovens, bem como o acesso ao trabalho, lazer e educação para a eliminação do HIV.

Artigo publicado na revista internacional Journal of Environmental Research and Public Health, em 2022. 

 

A pesquisa está vinculada com os projetos de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, e tem como autores o egressos do PPGENF Me. José Jorge da Silva Galvão (UFPA),  Me. Ellen Christiane Correa Pinho (UFPA), os mestrandos PPGENF Wanderson Santiago de Azevedo Junior (UFPA), Valéria Gabriele Caldas Nascimento (UFPA), o docente de graduação FAENF David de Jesus da Silva Paiva (UFPA), os docentes permanentes Dra. Nádile Juliane Costa de Castro (UFPA), Dr. Eliã Pinheiro Botelho (UFPA), Dr. Carlos Leonardo Figueiredo Cunha (UFPA) e Dra. Glenda Roberta Oliveira Naiff Ferreira (UFPA), docentes externos Dr. Richardson Augusto Rosendo da Silva (UFRN), Dra. Rosimar Neris Martins Feitosa (UFPA), Dr. Antonio Carlos Rosário Vallinoto (UFPA). 

 

O artigo intitulado "Seroprevalence of Chlamydia trachomatis and Associated Factors among Vulnerable Riverine in the Brazilian Amazon" teve como objetivo principal estimar a soroprevalência de Chlamydia trachomatis e analisar os fatores associados entre ribeirinhos de uma capital da Amazônia brasileira. Foi realizado um estudo transversal com moradores da Ilha do Combu, Belém. A amostra do estudo foi calculada por meio da técnica de inquérito populacional no EPI INFO. Apenas pessoas com 18 anos ou mais foram incluídas. A sorologia ELISA foi realizada para detectar anticorpos contra Chlamydia trachomatis. 

 

Foi aplicado um formulário contendo questões sobre fatores de vulnerabilidade. A análise de regressão binária foi realizada usando o programa Minitab 20. A amostra do estudo foi composta por 325 participantes. Na regressão múltipla, apenas os participantes com camisinha rompida apresentaram maior chance de apresentar anticorpos contra a bactéria. A soroprevalência foi associada ao rompimento do preservativo. Esse fator demonstra que apesar de terem uma atitude em relação ao uso do preservativo, provavelmente, podem ter conhecimento inadequado sobre a prática correta da introdução. 

 

Esta pesquisa foi financiada pelo Programa Nacional de Cooperação Acadêmica (PROCAD)—Amazônia 2018/CAPES, processo nº 88881.200527/2018-01. Programa de iniciação científica da UFPA (bolsas) e programa de apoio à produção qualificada da UFPA—2022 (PAPG-2022). 

 

Este estudo faz parte do Projeto “Diagnóstico Situacional das Infecções Sexualmente Transmissíveis no Contexto Amazônico: Análise Geoespacial, Triagem e Desenvolvimento de Tecnologias Educacionais de Atenção”. Foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Pará sob protocolo n◦ 3.331.577.

Artigo publicado na revista internacional Geospatial Health, em 2022. 

 

A pesquisa é derivada do Trabalho de Conclusão de Curso do egresso da graduação Marcus Matheus Quadros Santos (UFPA), e tem como autores a egressa da graduação Bianca Alessandra Gomes do Carmo (UFPA), as egressas do PPGENF Me. Taymara Barbosa Rodrigues (UFPA) e Me. Bruna Rafaela Leite Dias (UFPA), mestrando do PPGENF Cleyton Abreu Martins (UFPA), os docentes permanentes Dra. Glenda Roberta Oliveira Naiff Ferreira (UFPA), Dra. Andressa Tavares Parente (UFPA), Dra. Cíntia Yollete Urbano Pauxis Aben-Athar (UFPA), Dra. Sandra Helena Isse Polaro (UFPA), Dr. Eliã Pinheiro Botelho (UFPA). 

 

O artigo intitulado "Spatial variability of mother-to-child human immunodeficiency virus transmission in a province in the Brazilian Rainforest: An ecological study " teve como objetivo principal analisar espacialmente esse tipo de infecção entre 2007 e 2018 no Pará, que é o segundo maior estado brasileiro da Mata Atlântica brasileira e também possui a maior taxa de TV do HIV no Brasil. Com isso, foram analisados as taxas de incidência de HIV (incluindo a síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) por transmissão vertical como principal via de infecção em crianças menores de 13 anos e cujas mães vivem no Pará. 

 

Os autores usaram autocorrelação espacial, varredura espacial e ponderação geográfica técnicas de regressão espacial. No período deste estudo, foram observados 389 casos novos de HIV/Aids, com expansão territorial das taxas de incidência nos municípios do norte e sul do Pará com as maiores taxas. São Francisco do Pará apresentou alto risco espacial e alto espaço-temporal clusters de risco compreendendo municípios do oeste e sudoeste do Pará entre 2013 e 2016. A variabilidade espacial das taxas de incidência de HIV/aids foi comum no número de homens e mulheres com empregos formais, pessoas ≥18 anos desempregadas; alunos do ensino fundamental e famílias inscritas no “Cadastro Único para Programas Sociais”. 

 

Os resultados mostraram uma expansão de 250% na taxa de incidência de HIV em crianças devido à transmissão vertical do HIV. Os municípios com efeito significativo no HIV por transmissão vertical foram vistos principalmente no sul do Pará. A luta contra o estigma deve ser reforçada e o acesso a locais de cuidados de saúde preventivos, diagnósticos e tratamentos deve ser fornecido a todas as mulheres para diminuir o HIV por transmissão vertical.

Artigo publicado na revista internacional Health Equity, em 2022.

 

A pesquisa está vinculada com os projetos de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, e tem como autores a egressa Me. Julie Ane da Silva Formigosa (UFPA), discente da graduação Wanne Letícia Santos Freitas (UFPA), os docentes permanentes Dra. Glenda Roberta Oliveira Naiff Ferreira (UFPA), Eliã Pinheiro Botelho (UFPA), e Dra. Aline Maria Pereira Cruz Ramos (UFPA), docentes externos Dra. Jacira Nunes Carvalho (UFPA), Dra. Lucia Hisako Takase Gonçalves (UFPA), Dra. Ana Luisa Brandão de Carvalho Lira (UFRGN), Dra. Renata Karina Reis (USP) e Dra. Elucir Gir (USP).

 

O artigo intitulado "The Family Health Strategy Influence on the Human Papillomavirus Vaccine Acceptance in a Peripheral Community of the Brazilian Amazon Region" teve como objetivo principal  investigar a aceitação da vacina contra o HPV de pais ou responsáveis ​​de uma comunidade periférica da Amazônia brasileira atendida pela ESF e os fatores influenciadores. A cobertura da vacina contra o papilomavírus humano (HPV) permanece baixa em todo o mundo. A Estratégia Saúde da Família (ESF) no Brasil tem um importante papel na promoção da saúde nas comunidades. Dado o contato próximo da ESF com as comunidades atendidas, a cobertura da vacina contra o HPV deve ser alta em crianças. 

 

Dessa forma, foi realizado um estudo transversal de base comunitária recrutando moradores de um aglomerado subnormal de Belém (Pará-Brasil) e cobertos pela ESF. Os dados foram coletados no período de 30 de setembro a 5 de novembro de 2019. Foi utilizado o questionário ‘‘Conhecimento e aceitabilidade do HPV e sua vacina’’. Os dados foram analisados ​​por meio de análises de regressão binária e múltipla. Foram incluídos no estudo 247 participantes, dos quais responderam se vacinam ou não seus filhos e que essa falta de vacinação esta relacionada com: poucos anos de escolaridade, se possuem filhos ou não, conhecimento inadequado sobre as doses do HPV e conhecimento de quem recebeu a vacina contra o HPV 

 

Foi possível observar que os resultados sugeriram a baixa eficiência da ESF em aumentar a cobertura vacinal contra o HPV nas comunidades atendidas. Estratégia de diálogo com as famílias assistidas e educação continuada em saúde aos profissionais de saúde deve ser implementada para combater as fake news e aumentar a cobertura vacinal contra o HPV.

 

Este estudo foi financiado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior sob o número de bolsa 88881.200527/2018-01, PROCAD-AM.

Hoje, 29 de novembro foi realizada uma Oficina de Indexadores, tipos de revisões de literatura e busca nas bases de dados com a egressa Me. Laena Costa dos Reis, com a participação de mestrandos do PPGENF/UFPA e graduandos da FAENF/UFPA.

PPGENF-UFPA divulga:

O Programa de Pós-graduação em Enfermagem e Saúde/UFBA recebeu coordenadoras(es) e pesquisadoras(es) de outros Programas, Editoras de Revistas em Enfermagem, além de docentes do Universidade de Trujillo-Peru.

Foi apresentado o funcionamento, demandas e estratégias do PPGENF, RBE e Grupos de Pesquisas!

Momento de parcerias, articulações e aprendizado no fortalecimento da pesquisa, ensino, extensão da enfermagem brasileira!

PPGENF-UFPA divulga:

O coordenador do Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Pará, Prof. Diego Rodrigues estava no 73° Congresso Brasileiro de Enfermagem, Salvador - Bahia, onde fez a apresentação de dois trabalhos conjuntamente com graduandos de Enfermagem, bolsistas Pibic-CNPq, Me. Laena Costa egressa do PPGENF, professores com a Profa. Andressa Parente e Prof. Silvio Eder.
O evento seguiu repleto de atividades científicas importantes para Enfermagem.

PPGENF-UFPA divulga:

No dia 16 de novembro ocorreu o Fórum de Pesquisadores e Coordenadores de Programas de Pós-graduação em Enfermagem no 73° Congresso Brasileiro de Enfermagem, Salvador, Bahia, onde teve a presença do coordenador Prof. Dr. Diego Pereira Rodrigues, representando o PPGENF/UFPA, com discussões sobre avaliação dos programas de pós-graduação, qualis, qualidade dos dados na plataforma sucupira. Mediado o fórum pelas coordenadoras da área da Enfermagem na CAPES, Prof Cristina Parada, Prof Luciane Prado Kantoraki, Prof Lucia Izumi Nichiata.

PPGENF-UFPA divulga:

Entre os dias 13 a 16 de novembro ocorreu o 57° Congresso da SBMT, MEDTROP em Belém-PA. O evento teve a presença do docente permanente Prof. Dr. Eliã Pinheiro Botelho que participou da conferência com a temática "A epidemiologia do HIV no cenário Amazônico", realizado no dia 14 de novembro.

 

Artigo publicado na revista internacional Frontiers, em 2022.

 

A pesquisa está vinculada com os projetos de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, e tem como autores a egressa Me. Thais Lopes do Amaral Uchôa (UFPA), os mestrandos Wanderson Santiago de Azevedo Junior (UFPA) e Valéria Gabriele Caldas Nascimento (UFPA), docentes Dra. Cintia Yolette Urbano Pauxis Aben-Athar (UFPA), Dra. Andressa Tavares Parente (UFPA), Dr. Eliã Pinheiro Botelho (UFPA) e Dra. Glenda Roberta Oliveira Naiff Ferreira (UFPA), docente colaboradora Dra. Eliete da Cunha Araújo (UFPA) e docentes externo Dr. Richardson Augusto Rosendo da Silva (UFRN), Dr.Rubenilson Caldas Valois (UEPA).

 

O artigo intitulado "Determinants of gestational syphilis among women attending prenatal care programs in the Brazilian Amazon" teve como objetivo principal determinar os fatores associados sífilis gestacional em puérperas que realizaram pré-natal na Amazônia brasileira. Dessa forma, foi realizado um estudo de caso-controle não pareado conduzido em um hospital no brasil. A coleta de dados foi realizada de novembro de 2020 a julho 2021 durante a hospitalização usando um questionário estruturado pré-testado. O critérios para seleção de casos e controle seguiram as diretrizes estabelecidas pelo Ministério da Saúde do Brasil; puérperas com diagnóstico laboratorial baseado em testes treponêmicos e/ou não treponêmicos, sintomáticas de sífilis ou assintomáticas, tratadas ou não tratadas e em programa de pré-natal.

 

Cento e setenta e sete puérperas foram incluídas no estudo, 59 casos e 118 controles. Dentre todas as participantes, 95,5% (169) foram testadas para sífilis em algum trimestre da gravidez e no parto e 4,5% (8) foram testadas apenas na maternidade, no momento do parto e/ou puerpério. Dessa forma, por meio do estudo foi possível observar que fatores sociodemográficos, programáticos, obstétricos e sexuais estão associados à sífilis gestacional em puérperas.

 

Os estudos envolvendo participantes humanos foram analisados ​​e aprovados pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Pará sob protocolo n◦ 4.134.226.

 

Este estudo foi financiado pela Universidade Federal do Pará (PAPQ-2022).

O Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Pará recebeu a Profa. Carmen Gracinda Silvan Scochi como evento do acompanhamento do programa. No dia 8 de novembro, foi realizado reunião com a coordenação e professores a respeito dos eixos do programa e sugestões.

 

No dia 9 de novembro, ocorre reunião com os mestrandos e apresentação da produção.

 

No último dia 10 de novembro, foi realizado com a comissão organizadora e professores reunião sobre a produção e planejamento estratégico. 

 

Agradecemos a Profa. Carmen pela avaliação e acompanhamento do quadriênio 2021-2024.